Google+ Followers

Total de visualizações de página

terça-feira, 2 de maio de 2017

NOVA ESPÉCIE DE PEIXE É DESCRITA NO PARÁ

É na maior província mineral de ferro, ouro e cobre do Brasil - uma das maiores do mundo - que vive, nas corredeiras ainda virgens da densa Floresta Nacional de Carajás, uma nova espécie de pacu, que, depois de 30 anos, foi finalmente descrita e cientificamente passou a ser conhecida como Tometes siderocarajensis. O pesquisador doutor Marcelo Andrade, do Grupo de Ecologia Aquática (GEA) da Universidade Federal do Pará (UFPA), acabou de publicar no periódico Plos One, de circulação internacional, a descrição da nova espécie. 

É a sétima espécie de Tometes conhecida da comunidade científica, sendo a 4ª descrita por ele, que assina a publicação ao lado dos pesquisadores Tommaso Giarrizzo (UFPA), Michel Jégu (Institut de Recherche pour le Dèveloppment - IRD), Izeni Farias e Valéria Machado (Universidade Federal do Amazonas – UFAM).

DIFERENÇAS

O novo pacu apresenta, em relação às demais espécies, algumas diferenças marcantes. Segundo o pesquisador, a coloração foi o que mais chamou sua atenção – o siderocarajensis é escuro, quase negro, enquanto os demais apresentam coloração prata. Ele tem formato da dentição e arranjo da arcada bem diverso dos demais, além de alteração no número de escamas e a estrutura óssea do crânio igualmente divergente.

Este é o quarto Tometes descrito por Marcelo Andrade. A primeira descrição aconteceu em 2013, com a espécie Tometes camunani, nome dado pelos índios Wai Wai do rio Trombetas, oeste do Pará; a segunda em 2016, Tometes kranponhah, outro nome indígena, segundo os Xikrin no Xingu, e a terceira, Tometes ancylorhynchus, de 2016, que ocorre nas regiões dos rios Xingu e Tocantins.

PARA CONHECERA NOVA ESPÉCIE

O Tometes siderocarajensis é um tipo de pacu encontrado na Serra dos Carajás, daí o nome escolhido pelo pesquisador para batizar a nova espécie. Marcelo Andrade revela, também, que esse peixe não é consumido e popularmente é chamado de “Pacu-Borracha” ou “Curupeté”. A é carne dura e borrachuda e o animal pode atingir um tamanho médio de até 40 centímetros.

Fonte: Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário